Resumen

Contexto: Dentre os problemas de saúde do trabalhador são de grande importância os transtornos mentais comuns (TMC), que se expressam por sintomas como insônia, fadiga, irritabilidade, esquecimento, dificuldade de concentração e queixas somáticas, os quais demonstram ruptura do funcionamento normal do indivíduo. Objetivo: Este trabalho investigou a presença de TMC em agentes de segurança penitenciária do Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico André Teixeira Lima. Método: Trinta agentes penitenciários (25 homens e 5 mulheres), com idade entre 30 e 65 anos, foram avaliados individualmente, utilizando o Self Report Questionnaire (SRQ), que identifica distúrbios psiquiátricos em nível de atenção primária. Resultados: Dos 30 sujeitos avaliados, 83,3% (n = 25) preencheram critérios para a presença de TMC. Em termos de gênero, as mulheres se apresentaram mais vulneráveis às manifestações dos TCM (100%) se comparadas aos homens (79%) (χ2; 6,1 gl: 1.4%; p < 0.05). Conclusões: Constatou-se que a maioria dos profissionais questionados sinalizou presença dos TMC, sugerindo exposição a situações de altas demandas psicológicas no trabalho. Isso configura uma realidade preocupante, já que essa alta demanda predispõe ao adoecimento. Os resultados obtidos neste estudo abrem espaço para novas investigações que possam avaliar mais adequadamente os aspectos relacionados à questão do gênero feminino na realização das atividades de agentes de segurança penitenciária.

Palabras clave: Transtornos mentais comuns agentes de segurança penitenciários saúde mental violência.

2010-07-23   |   2,330 visitas   |   Evalua este artículo 0 valoraciones

Vol. 8 Núm.1. Junio 2010 Pags. 33-38 Revista Bras. Med. Trab. 2010; 8(1)